segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Passatempo



Eu sempre fui apenas um rascunho em sua vida, um sublinhado sem destaque, apenas letrinhas quase apagadas, que você lia as vezes por passatempo, sem nunca me fazer sua leitura preferida, nunca fui seu livrinho de cabeceira!

((Rosi Rosa))

Amores passageiros




Eu rasgo o verbo com minhas dores egoístas, me dói saber que eu posso ser seu amor pra sempre, mas você insiste em perder tempo com seus amores passageiros e ligeiros.

((Rosi Rosa))

Grite meu nome



Estou esperando mais que palavras, mais que um simples: "quero te ver" escrito de qualquer forma, estou esperando você aparecer em meu portão e gritar meu nome, bem alto e apaixonado... Por favor, me faça acreditar novamente em você!



((Rosi Rosa))

Tão perto...



Ele está aqui... tão perto de mim que inconscientemente posso sentir a sua respiração, fecho os olhos e lembro de seu sorriso travesso, gostoso... saudades demais dele.
((Rosi Rosa))

Simplesmente, você não me leu.




Eu quis te mostrar meu segredo, da forma mais exposta. Numa folha. Minhas palavras mais sinceras. Minhas letras mais bonitas. O meu sentir mais intenso. Pregado pelas letras, num pedaço qualquer de anotações. Te dei a minha alma, logo após ela  deixar-me, nua, pra ir morar no papel. Simplesmente, você não me leu.

_Desconheço a autoria 

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Eu te esperei (Feliz Natal)


Olhei ansiosa para o celular, esperando o toque que sempre me fazia suspirar antes mesmo de atender, silêncio... apenas as batidas do meu coração, que triste ainda bate por você, engoli uma lágrima insistente, fechei os olhos e imaginei nós dois juntos, as lágrimas vieram com força, me engasguei com a saudade, entre soluços te desejei sussurrado um "Feliz Natal!"
Eu te esperei, você não veio, não ligou, não sentiu a minha falta...


(( Rosi Rosa))

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Eu quero mais


Solo Sagrado de Guarapiranga

Dizem que a gente tem o que precisa. Não o que a gente quer. Tudo bem. Eu não preciso de muito. Eu não quero muito. Eu quero mais. Mais paz. Mais saúde. Mais dinheiro. Mais poesia. Mais verdade. Mais harmonia. Mais noites bem dormidas. Mais noites em claro. Mais eu. Mais você. Mais sorrisos, beijos e aquela rima grudada na boca. Eu quero nós. Mais nós. Grudados. Enrolados. Amarrados. Jogados no tapete da sala. Nós que não atam nem desatam. Eu quero pouco e quero mais. Quero você. Quero eu. Quero domingos de manhã. Quero cama desarrumada, lençol, café e travesseiro. Quero seu beijo. Quero seu cheiro. Quero aquele olhar que não cansa, o desejo que escorre pela boca e o minuto no segundo seguinte: nada é muito quando é demais.


— Caio Fernando Abreu.   

É, eu sou.



"Eu sou o livro que ninguém quer ler, a música que ninguém quer ouvir, o filme que ninguém quer ver. Eu sou a poesia sem sentido, o texto sem pontuação, o erro sem solução. É, eu sou." 




— Thiara Macedo

Só um sinal




“E eu precisava de algum sinal. Podia ser um SMS ou um telefonema. E quem sabe por cartas? Telegramas ou cartão postal. Isso ainda existe? Apenas uma mensagem em minhas redes sociais, ou talvez um spam ridículo que fica piscando o tempo todo, que dá até nojo de ler. Já sei! Que tal um bilhete por garrafas? Bem aquela bobagem de filmes de pirataria. Ou então fumaça. Isso, um sinal por fumaça! Mas dê um sinal, por favor. Só um sinal de que ainda sente a minha falta.”
— Thiara Macedo

Envolva-me



“Rodeia-me
Envolva-me
Abraça-me
Aperta-me,
maldita carência.”

O seu adeus


“O seu adeus dói. Mas quando você vai sem dizer nada é ainda pior.”


— Caio Augusto Leite

É triste saber...


“Chorar não adianta, eu seco de tanto chorar e não passa. Ver TV, falar ao telefone, dançar, gritar, escrever, abraçar minha mãe, tomar suco de manga… nada adianta. Eu sei, eu sei, o eterno clichê “isso passa”. Passa sim e, quando passar, algo muito mais triste vai acontecer: eu não vou mais te amar. É triste saber que um dia vou ver você passar e não sentir cada milímetro do meu corpo arder e enjoar. É triste saber que um dia vou ouvir sua voz ou olhar seu rosto e o resto do mundo não vai desaparecer. O fim do amor é ainda mais triste do que o nosso fim. Meu amor está cansado, surrado, ele quer me deixar para renascer depois, lindo e puro, em outro canto, mas eu não quero outro canto, eu quero 
insistir no nosso canto.”
— Tati Bernardi

Te quero


“Te quero. Te quero molhado, com o cabelo despenteado, com cara de sono, com sorriso malicioso, com olhar sincero. Te quero sorrindo, bravo, nervoso, emburrado, feliz, chateado, triste. Te quero lindo, te quero feio, te quero desarrumado, te quero perfumado. Te quero na sala, no quarto, na rua, tanto faz. Te quero aqui, te quero acolá. Te quero para transformar eu e você em nós.”
— Tati Bernardi.

Nossos Silêncios


Eu evito, porque tenho certeza de que se te mandasse um simples sms agora, você seria capaz de ler minha alma através dele.
Você saberia o quanto foi burro por ter perdido minha amizade, sabendo que eu era madura o suficiente pra aceitar que não teria seu amor, enfim.
Deixa como está, nossos silêncios conversam e devem se entender.

Onde está o coração das pessoas?




“Talvez o problema seja eu. Talvez eu espere demais das pessoas. Talvez eu queira muito. Talvez o problema seja meu. Onde estão os valores? Onde foi parar o conceito de certo e errado? Onde está o coração das pessoas? Sim, eu sei que ele fica do lado esquerdo do peito. Mas tem muita gente com o coração oco. Ou cheio de porcaria.”


— Clarissa Corrêa.

Seja Feliz







“Depois da meia-noite eu olhei para o céu e uma estrela me chamou a atenção. Era grande, forte, tinha uma luz diferente das outras. Era uma estrela especial. Brilhava. Se destacava. Olhei para ela, fechei os olhos, fiz um pedido. Eu pedi para você ser feliz.”


— Clarissa Corrêa




Presente antecipado de natal


“Queria entender porque um ser de tamanha inteligência entra na nossa vida, faz com que um afeto se torna amor, e depois vai embora? E não se contenta de só ir embora não, ainda tem que virar a minha vida pelo avesso e deixar a saudade como presente antecipado de natal.”

— Thiara Macedo (sdpm)

domingo, 25 de novembro de 2012

Doeu...



Eu fui te deixando sutilmente, me afastando vagarosamente, sofrendo com sua ausência... Eu quis que você me impedisse, mas os dias foram passando e nada de você notar que eu já não estava ao seu lado, confesso que doeu... e não foi pouco.
Doeu... todas as vezes que eu não recebi uma mensagem sua.
Doeu... as madrugadas que imaginei nós dois juntos, abraçados.
Doeu... das vezes que calada, sua voz ecoou dentro do meu coração, cada vez mais distante.
Doeu... a amargura de imaginar você em outros braços, provando outras bocas.
Doeu... o adeus não dado, o último beijo não recebido.
Doeu... todo esse silêncio, toda essa distância, toda essa solidão.
Doeu... a palavra "Nós" virar apenas "Eu".

 (( Rosi Rosa ))

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Por que tão cruel é o amor?



♫ 
Não se acaba o amor só dizendo adeus
Ficando ausente da vida da gente
Por que as lembranças a todo minuto machucam a alma
Mesmo sem te tocar você mora em mim
Quanto menos te tenho mais eu me lembro
Pois não consigo tirar você da minha mente
E me pergunto mil vezes
Por que tão cruel é o amor? ♫ 

domingo, 18 de novembro de 2012

Você nas entrelinhas



Recitando uma dor.
Cantando uma tristeza.
Chorando um poema.
Sorrindo em versos.
Sentindo saudades em rimas.

Tá, nada disso faz sentido, mas se trocar algumas palavras verá que estou falando de você, em todas as linhas, nas entrelinhas, é só perceber:

Recito VOCÊ.
Canto  VOCÊ.
Choro por  VOCÊ.
Sorrio pra  VOCÊ.
Sinto saudades de  VOCÊ.

E agora, fez mais sentido?

(( Rosi Rosa ))



quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Aproveite sua juventude



"Você cresce. Suas roupas ficam menores, as ofensas já não acertam na mesma intensidade. Você expande seu campo de visão, e enxerga tudo o que não passava de um grande nada. Os dias passam, problemas aumentam, e o tempo se reduz. Responsabilidades, contas, horários, prazos, preocupações, e finalmente, a tão sonhada independência. Você cresce, as piadas tornam-se cansativas, as histórias entediantes, as pessoas irritantes, os amigos antigos vão sumindo aos poucos, por estarem crescendo também. Você cresce, e ironicamente se sente menor, a rotina te aperta, e saudade te engole. Todo mundo cresce, e a maturidade tem um preço, quem diria que ser livre pode custar a liberdade? Te obrigam a voar, enquanto seguram suas asas. Amadureça, mas não cresça antes do tempo. Aproveite sua juventude, e acredite, crescer tem lá suas desvantagens." 

— Sean Wilhelm. 

Exagerada toda a vida




Exagerada toda a vida: minhas paixões são ardentes; minhas dores de cotovelo, de querer morrer; louca do tipo desvairada; briguenta de tô de mal pra sempre; durmo treze horas seguidas; meus amigos são semi-irmãos; meus amores são sempre eternos e meus dramas, mexicanos! 
_ Clarice Lispector


domingo, 11 de novembro de 2012

Frágil



Frágil — você tem tanta vontade de chorar, tanta vontade de ir embora. Para que o protejam, para que sintam falta. Tanta vontade de viajar para bem longe, romper todos os laços, sem deixar endereço. Um dia mandará um cartão-postal, de algum lugar improvável. Bali, Madagascar, Sumatra. Escreverá: penso em você. Deve ser bonito, mesmo melancólico, alguém que se foi pensar em você num lugar improvável como esse. Você se comove com o que não acontece, você sente frio e medo. Parado atrás da vidraça, olhando a chuva que, aos poucos, começa a passar.

— Caio Fernando Abreu

Sinto falta do “eu te amo” que você nunca me disse



"Eu quis te contar do estrago que a dor fez, mas quando vi você na minha direção, esqueci dos cortes. Mas o teu silêncio falou mais alto. Fui pela estrada torta, você pegou a contramão. Tranquei teu amor dentro de mim e entreguei as chaves para Deus. Sinto falta do “eu te amo” que você nunca me disse; e que eu disse, mas você não ouviu, porque já tinha dobrado a esquina."

— Erllen Nadine

Memória




"Na parede da memória
Essa lembrança
É o quadro que dói mais."

— Belchior.  

sábado, 10 de novembro de 2012

Com o coração borrado





Com o coração borrado das lágrimas que derramei, 


jurei nunca mais te amar, 


errei.


Com os olhos fechados para o juramento, 


foi você quem apareceu sorrindo, 


zombando da promessa que não cumprirei!




(( Rosi Rosa ))

Sem riscos do colorido entrar




Emoldurei meu coração em tela preta, sem riscos do colorido entrar e trazer junto uma alegria fingida, vencida, borrada...
Vesti meu corpo no sofrimento, revesti meu coração na tristeza, fechei meus lábios para o sorriso e turvei meus olhos para a felicidade... apenas por enquanto, até essa dor passar, até o amor voltar novamente pra minha vida... 

Até eu te esquecer (!)


(( Rosi Rosa ))

A hora do adeus



Olhei o relógio, 

alguns minutos para as dez da noite,

 chegou a hora,

 dolorosa, cruel...

 a hora do adeus,

  muita coisa mudou entre a gente,

 o pouco carinho que você sentia foi acabando,

 restando quase nada e eu não posso lutar por nada... 


Adeus!



(( Rosi Rosa ))


Que Dor Era?



Autora: Rosinea


Colaboração especial: Sara Peres


Título: Que dor era?


Sem shipper


Não há sinopse;


São pensamentos da Sara





Calada, triste...
sozinha, solitária...
sentimentos antigos, recentes...
alguém, ninguém...
perfeita, imperfeita...
rosas, espinhos... Eu.

Confusa!

Sou feita de realidades absurdas, sou voz, sou grito e muitas vezes emudeço.

Calada ouço as batidas de meu coração que ora bate, ora apenas estremece, enlouquece!

As vezes sou poema falso, com versos desconexos, sou reflexo de uma infância sofrida, que me soa impertinente, incontrolavelmente.

Minha vida oca anseia por barulho estrondoso, quero desvendar meus mistérios, completar os espaços vazios, rascunhar meus sentimentos sombrios.

Essa sou eu, sem máscaras, sem fingimentos, sem mentiras, toda verdade e sem meias palavras. Sem meias frases...

Sou dor que ninguém sente, grito que ninguém ouve, angustia que ninguém entende, livro que ninguém lê.

Caminho por minhas dores, danço sozinha com meus temores e rabisco minha felicidade perdida, fugida... vencida!

Sou pássaro com asa quebrada, ferida, machucada, que tenta em vão por cuidados, não encontrados. Sou dor desconhecida...

Sou cheia de verbos e plural,
sou romance impróprio,
sou conto,
sou canto,
sou dor,
mas as vezes nem sei quem sou...




“E reunia toda sua força para parar a dor. Que dor era? A de existir? A de pertencer a alguma coisa desconhecida? A de ter nascido?”
— Clarice Lispector




* Fim

(( Rosi Rosa ))


Decisão?


Eu decidi fugir, aceitar a solidão, aceitar sua indiferença com indiferença

em silêncio pra não acordar sentimentos recém adormecidos. 


(( Rosi Rosa ))


sexta-feira, 9 de novembro de 2012

O que sou eu para você?



O que sou eu para você? Pedaços de sonhos que você esqueceu no coração? Sombras de gestos que se perdeu no tempo? Um sorriso medroso que se escondeu na saudade? A mágoa de uma folha que secou e caiu? O que sou eu para você não sei.... Sei apenas que desejo ser para você as notas festivas de uma canção em êxtase. A alma da primavera arrebentando em flores. A energia criadora da juventude em chama. O momento eterno de uma vida de AMOR!

_ Desconheço a autoria

Sua ausência








Sua ausência choveu tanto


dentro de mim


que o meu coração borrou


- Geraldo de Barros


Risquei um verso







Risquei um verso



mas o poema não acendeu

será que o papel estava úmido ou eu? 


— Geraldo de Barros.



sexta-feira, 2 de novembro de 2012

2 de Novembro


Os mortos recebem mais flores que os vivos, porque o remorso é mais forte que a gratidão.
 _ Mac Anderson

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Bem me quer?



“Bem me quer

Mal me quer

Repetia para a flor

Como se a pobrezinha

Decidisse algo sobre o amor.”

— Leminski


Amo noites e estrelas



Acho que todo mundo precisa de esconderijo. Não fujo, mas vez em quando me escondo porque preciso da minha paz, preciso ler minhas frases silenciosas. Palavra pra mim é a coisa mais séria e bonita que existe. Preciso delas ao meu lado, sublinhadas. Tenho esse lado infantil de correr para o colo da mãe, acender a luz do corredor e não caminhar no escuro. Gosto da luz, do mundo claro. Em compensação, amo noites e estrelas.

 — Clarissa Corrêa. 

Eu queria amor, não costume




Ele tava acostumado com o meu adeus seguido de telefonemas e mensagens cheias de saudade. Ele se acostumou a me ter ali, na palma da mão, e se acostumou a me puxar de volta com facilidade quando, as vezes, eu tentava fugir. Eu queria amor, não costume...

_ Desconheço a autoria

Você fez o quase, se tornar nada.




Juro que pensei que era amado. Que fazia falta, que causava saudade, que amenizava a dor. Pensei que era importante para você, sabia? E quase acreditei nisso, quase mesmo. Faltou pouco. Você foi o meu quase. O meu quase amor, a minha quase certeza, a minha quase felicidade. Mas eu não vivo de “quase”, e você também não. A diferença é que eu lutei para o quase, virar tudo. Você fez o quase, se tornar nada.
— Allax Garcia.

Quando viro pimenta

Dente por dente, alho por alho... Quando viro pimenta, lágrimas de cebola não me comovem.
_ Desconheço a autoria

Verso bagunçado



“eu f iz
um
verso b a gu n ça d o
só pra vo cê ve r
o que 
fa z co m igo.”

— Poeticências


terça-feira, 23 de outubro de 2012

Hoje a tristeza não é passageira...


O que está me incomodando?




Eu não vou te falar o que está me incomodando. Vou dizer que está tudo bem, tudo normal e que nada está me machucando. Mas no fundo eu vou querer mais do que nunca que você insista, quero ver você se importando em saber o que está me incomodando, mesmo que eu não fale nada.

Desconheço a autoria

E ao reler




Se te espero, você não vem. Se te procuro, não acho. Se te quero, você não me quer. Vou parar com esse “Se te”, e começar com o “Não te”. E ao reler, faz mais sentido. E machuca menos.


( Desconheço a autoria )

Eu bebi saudade



Eu bebi saudade a semana inteira, pra domingo você me dizer que não sabe o que quer e não quer mais saber.


Desconheço a autoria

Depois de um tempo



Depois de um tempo, parei de insistir no erro. Não que eu não o ame mais, mas é que a gente nunca vai dar certo. Dói te querer e não poder te ter, é como se eu tivesse esquecido a letra da minha música predileta, porém nunca parei de ouvi-la.

 ( Desconheço a autoria)

Do fundo do meu coração


(...) 
Se você me perguntar se ainda é seu
        Todo o meu amor, eu sei que eu
        Certamente vou dizer que 'sim'
        Mas, já depois de tanta solidão
        Do fundo do meu coração
        Não volte nunca mais pra mim 

(...)



Do fundo do meu coração_ Roberto Carlos)

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Desculpa



Desculpa, mas não sou tapa buraco, não sirvo como remédio anti-carência. Se você quiser me ligar porque sentiu saudades, sabe meu número. Mas não me invente de ligar porque está se sentindo só, não me use como adorno, engula seu medo da solidão. O que eu quero é amor, se você tem algum genérico disso dê para outra pessoa, eu não preciso de alguém que me faça de segunda opção, de plano B, ou de última alternativa.
_ Desconheço a autoria

domingo, 14 de outubro de 2012

Não faz sentido essa espera, quando eu sei que você nunca mais vai voltar...




Eu tinha tanta coisa pra te dizer... mas de quê adiantaria? Você não vai mais voltar... pra mim!
Fico com o silêncio... o mesmo silêncio que sempre foi parte da nossa história!

(( Rosi Rosa ))

A única verdade






Eu vejo ele em todos os lugares, todos os sorrisos, em todos os olhares...
Eu vejo ele dentro e fora de mim...
Eu vejo ele, mas ele nunca me vê...
Seu olhar turvo já não me enxerga mais, 
seu coração egoísta nunca me amou realmente...
eram mentiras, todas as palavras que um dia ele disse...
eram mentiras que eu teimosamente transformava em verdades.
Verdades? Eu te amei, te amei... 
A única verdade que eu trago exposta nas ranhuras do meu coração é que eu ainda te amo, apesar de tudo, e mesmo nesse silêncio que você impôs, é teu nome que grita em meus ouvidos, é teu nome que sussurro antes de dormir.

(( Rosi Rosa ))

Será?




Entre rostos te perdi, escuto meu coração gritando seu nome em vão... não te encontro em nenhum lugar, não te acho nem dentro de mim, será que o amor está acabando? 
Quantos "eu te amo" você já disse? Nenhum foi pra mim... nenhum eu ouvi...
A única coisa que você me oferece é o silêncio, cortante e doloroso silêncio!
Vou ficar bem sem você, eu sei que vou... Mas quando?
Eu poderia te amar pra sempre... mas você optou apenas por um momento, o amor acaba quando desprezado e jogado de lado... e o meu amor por você está acabando... ou não?
Mas será que você pensa em mim quando o tempo está assim? 
Será que você pensa em mim em teus momentos ruins? 
Será? 



(( Rosi Rosa ))